Histórias & Aprendizado

julho 15, 2008

Olá!

No site Educação 24 horas você encontra historinhas infantis ilustradas, contadas com áudio e escritas, alêm de jogos educativos e muitos outros passatempos que divertem e educam. Diversão para as crianças e tranquilidade de um ótimo conteúdo na internet para os pais.

Para ler as histórinhas animadas é só clicar nessa imagem abaixo. São muitas histórias divertidas e educativas. Se a página não abrir automaticamente é só se cadastrar que é de graça!

Até mais!

 

 

Anúncios

Oi gente!

Entrei nesse site do Educação 24 horas e achei ele muito bacana. Dentro de nossos interesses, tem jogos e matérias interessantes para nossos filhos e coisas para os pais também. É só clicar na imagem abaixo. Roubem algumas dicas e compartilhem!

Abraços.

 

 

Devo deixar meu filho com a família?  

mama.jpg 

Na hora de escolher quem vai cuidar do seu filho enquanto você trabalha, uma das opções mais apreciadas é a de contar com a ajuda de familiares. Afinal, conhecer bem as pessoas que estarão com a criança garante tranqüilidade. Mas, apesar do lado bom, alguns fatores devem ser considerados. Conheça as vantagens e desvantagens dessa opção de cuidado.   Como existe uma relação de afinidade por parentesco, os pais sentem-se seguros em deixar o filho com a família, já que sabem que a pessoa responsável realmente se interessa pela saúde, felicidade e bem-estar da criança.

 
Para muitos casais, essa condição representa uma vantagem indiscutível em relação a outras opções, como a contratação de uma babá ou a inscrição da criança em uma creche ou escola infantil. Além disso, quando se trata de alguém da família, os pais em geral têm mais acesso a informações sobre a história da pessoa e seus hábitos.
 

Uma das principais preocupações dos pais que recorrem a outras soluções é que, ao deixarem seus filhos durante o dia todo aos cuidados de outras pessoas, é natural que as crianças adotem valores passados por quem cuida delas, o que nem sempre coincide com os conceitos da família.

 
Outro ponto que costuma agradar aos pais é o fato de a criança passar o dia na própria casa, o que não ocorre se a opção for um berçário ou uma creche. Cuidada por uma pessoa da família, a criança permanece em seu próprio ambiente ou na casa da pessoa responsável, um espaço considerado mais acolhedor do que um ambiente institucional.
 

Finalmente, um aspecto que muitos pais levam em consideração é a proporção de adultos para cada criança. Mesmo que o casal tenha mais de um filho e o familiar tome conta de ambos, a atenção é bem maior do que em uma creche ou escola, estabelecimentos nos quais, em geral, um adulto se ocupa de seis ou sete crianças.


Com menor contato com outros colegas, reduzem-se as probabilidades de contágio de viroses, resfriados (e as conseqüentes dores de ouvido) tão comuns entre crianças que passam o dia em grupo.

 
Mas a vantagem mais óbvia, sem dúvida, é o custo: embora a maioria das pessoas que recorre aos cuidados de alguém da família costume oferecer algum tipo de compensação (financeira ou de outra natureza), em geral o gasto final é bem inferior à mensalidade de um berçário ou ao salário de uma babá.

bbaby.jpg 

 
E quais são as desvantagens?

 
Infelizmente, deixar o filho com os familiares também tem aspectos negativos. Em geral, o contato estreito com a pessoa que toma conta de seu filho dificulta o estabelecimento de um relacionamento profissional.
   Isso pode provocar algumas situações difíceis. Por exemplo, alguns familiares, sobretudo os mais velhos, acreditam deter mais conhecimento sobre a educação e os cuidados com as crianças. Com isso, podem ignorar as recomendações dos pais no que se refere à alimentação, educação e sono do bebê.

 
Esse tipo de atitude não só afeta a autoridade dos pais, como confunde a criança – o que pode trazer desentendimentos entre a família. Para reduzir esse tipo de problema, os pais devem definir com clareza o que querem e determinar as regras desde o início.

 
Outra questão que pode trazer complicações refere-se à remuneração. Em alguns casos, os pais oferecem um valor em dinheiro para não parecer que estão tirando vantagem da situação, mas não raro o familiar recusa a oferta – embora quisesse aceitá-la. Quando isso acontece, uma das conseqüências possíveis é o uso constante de “indiretas” e insinuações que acabam desagradando os pais.

 
E, mesmo que os pais combinem uma remuneração com o familiar que se ocupa da criança, muitos se sentem em dívida em relação à pessoa, o que pode deixá-los menos dispostos a defender as próprias crenças em relação à educação do filho.

 
Se um familiar de mais idade – como a mãe ou tia de um dos pais, por exemplo – for o escolhido para a tarefa, a falta de energia pode ser uma desvantagem. Ainda que a pessoa tenha todas as condições de cuidar de um bebê, talvez não disponha da energia necessária para correr atrás de uma criança em fase de exploração.

 
Se a pessoa que cuida de seu filho (familiar ou não) não tiver energia para explorar novas maneiras de divertir e estimular a criança (ou até mesmo de protegê-la contra possíveis acidentes), avalie a possibilidade de matriculá-la em uma creche ou escolinha, talvez antecipando um pouco sua ida para o convívio com os coleguinhas.

 
Muitas crianças de dois, três ou quatro anos aprendem e se desenvolvem muito com a sociabilização, um recurso nem sempre disponível para quem é cuidado por um alguém da família.

 
Finalmente, ao contrário do que ocorre com as creches, escolas maternais e berçários, esse tipo de cuidado não é controlado pelos organismos do governo. Por isso, é essencial que os pais realmente confiem na pessoa a quem transferem o cuidado com os filhos e não tenham dúvidas quanto à segurança, à limpeza e ao conforto do ambiente.

 
Consultoria: Mônica Gazmenga, enfermeira.

A mãe ideal

março 26, 2008

A mãe ideal

Por Danuza Leão

nmama.jpeg

Ah, ser mãe é difícil; não existe filho que não tenha dito um dia – ou pelo menos pensado – “não agüento minha mãe”, e o pior: com toda razão. Há coisas a ser evitadas para que eles nos odeiem o menos possível. Toda mãe tem vontade de telefonar para o filho pelo menos duas vezes por dia. Meu conselho: não telefone. Deixe seu filho em paz, mas esteja sempre à disposição, a qualquer hora do dia ou da noite, para ouvi-lo reclamar do trabalho, da mulher, do filho que ele descobriu fumando um cigarro ou coisas do gênero. Quando ele disser que vai viajar, não pergunte jamais – jamais – o dia em que voltará. Se não resistiu e perguntou, não telefone para ele no dia da chegada, antes de ele ligar, ou corre o risco de ser vítima de alguma atrocidade, e todas somos; ou não? A mãe ideal é aquela que não dá palpite sobre nada, a não ser quando consultada e, mesmo assim, tomando o maior cuidado com o que vai falar. Se ele se queixar da mulher, não aproveite para dizer tudo que está atravessado na sua garganta desde o dia em que ele te abandonou por ela. Ouça tudo, mas fique muda, porque eles vão fazer as pazes e vai sobrar para quem? Não tente seduzir seu filho com propostas do tipo: “Domingo vou fazer aquele cozido que você adora, quer vir almoçar?” Se quiser ser mesmo uma mãe maravilhosa, mande levar na casa dele aquele bolo de laranja feito no tabuleiro, com cobertura de açúcar e limão, mas não telefone para saber se ele gostou. Quando ele ligar – se ligar – para dizer que adorou, não peça o tabuleiro de volta; esse, nunca mais. Tem hora pra tudo na vida, inclusive – e principalmente – para mãe. Dê um tempo: ninguém suporta ser tão fundamental à felicidade do outro, como as mães costumam deixar claro. É verdade, mas nem todas as verdades precisam ser ditas. Quer saber o que é uma mãe confortável? É aquela que tem vida própria: ou joga pôquer e ninguém vai tirá-la da rodinha de sábado, ou tem um namorado que não vai deixar, nem morta, para cuidar dos netos, ou tem um gato que não pode ficar sozinho. É claro que ele vai reclamar que não conta com você para nada; vai ser acusada de ser egoísta, mas, se pudesse escolher entre uma mãe que sufoca e a que vive e deixa viver, sabe qual ia preferir? Pois é isso mesmo. Goste dele mais do que tudo neste mundo, mas não diga nada. E não fique triste ao constatar que ele se importa mais com seus próprios filhos do que com você: a vida é assim, e o amor de cima para baixo – de mãe para filho – é muito maior do que aquele de baixo para cima – de filho para mãe. Ele também vai ficar triste quando perceber um dia, já avô, que seus filhos gostam muito mais dos seus próprios filhos do que dele, o que é natural. E isso não é bom nem ruim, nem justo nem injusto: apenas é. 

Muitos são os símbolos que fazem da Páscoa uma data especial para reunir família e amigos. Mesmo que populares, a origem dos elementos que são parte da celebração não é tão conhecida. Confira aqui os significados e comemore o domingo com muita alegria.

cocococococoelho.jpg

Coelho 

Depois do inverno, os coelhos entram em período fértil com grande capacidade de reprodução. Por isso, simbolizam o renascimento e renovação da vida, sendo uma alusão à ressurreição de Cristo. Foram incorporados à Páscoa na Europa, no século XVIII. Os povos anglo-saxões diziam às crianças que coelhos traziam os ovos e escondiam nas plantas. Na manhã do domingo de Páscoa, elas os procuravam pelas ruas e jardins das vilas. Hoje, os pais fazem a alegria dos pequenos dizendo que coelhos escondem os ovos pela casa. Ovos
A tradição de presentear amigos com ovos é mais antiga que o cristianismo. Povos do oriente davam ovos de galinha ou da pata cozidos e tingidos com beterraba como forma de comemorar a chegada da primavera, simbolizando o começo de uma nova vida. O que era um costume pagão foi santificado pela igreja católica no século XVIII, simbolizando a ressurreição de Cristo.

 Cordeiro
Símbolo mais antigo da Páscoa, o cordeiro representa a aliança entre povo e Deus. O animal teve papel fundamental para a Páscoa judaica, a Pessach. Durante a escravidão dos judeus no Egito, espalhou-se que pragas iriam destruir a civilização dos faraós, mas Deus protegeria os filhos que tivessem suas casas marcadas com o sangue de um cordeiro sacrificado. Com medo da ruína, os egípcios libertaram os judeus. Para o cristianismo, Jesus é considerado o Cordeiro de Deus, que foi crucificado pelos pecados dos homens.

 Chocolate
O alimento de origem americana foi introduzido à Páscoa no século XIX. Com o desenvolvimento da indústria alimentícia na Europa, o cacau ganhou espaço nos pratos europeus e foi incorporado à tradição dos ovos como presentes da celebração. Para os astecas, civilização pré-colombiana, o chocolate é considerado alimento sagrado.

 Círio Pascal
A grande vela acesa pelos católicos no Sábado de Aleluia simboliza a ressurreição de Cristo para iluminar o caminho dos seres humanos. Nela, são gravadas a primeira e última letra do alfabeto grego: alpha e ômega, que dão a idéia de que Deus é o princípio e o final.

 Colomba Pascal
Várias histórias explicam a origem deste pão doce que enfeita as manhãs de Páscoa. Uma delas conta sobre a região da Lombardia, um vilarejo de Pavia ao norte da Itália, onde ouve uma invasão do exército de Albuino, rei dos Lombargos. Para apaziguar o conflito, um confeiteiro local preparou um bolo diferente em formato de pomba, animal que simboliza a paz. Ao receber a iguaria, o invasor se comoveu e poupou o vilarejo. Para os católicos, principalmente italianos, o pão representa a chegada do Espírito Santo e forma de ave remete a uma atitude pacífica.

A queixa de muitas mães aos seus pediatras e nutricionistas é rotineira e muitas vezes as causas podem estar nas próprias atitudes dos pais. Saiba um pouquinho mais sobre como deve ser a alimentação infantil e quais as causas da falta de apetite nas crianças.  

Normalmente as mães se cobram muito e cobram muito a criança a respeito da alimentação. Por ser um papel materno, a alimentação é muito valorizada e a preocupação em excesso pode gerar ansiedade e prejudicar esse ato tão importante que é o de alimentar um filho. Cobranças internas, de avós, sogras ou outras pessoas próximas prejudicam e devem ser cortadas pelas mães. A amamentação ao seio é a primeira relação entre o bebê e o mundo que o cerca e por isso é fundamental. Além de representar o alimento, o seio é uma descoberta e representa o afeto, o vínculo com a mãe. A alimentação da criança no futuro será o resultado do relacionamento estabelecido entre ela e o ambiente em que vive e principalmente do afeto entre o bebê e a mãe. 

baby.jpg

A depressão pós-parto tem grande influência no bebê. Ansiedade, carência e baixa auto-estima podem ocorrer em função de um relacionamento ruim entre mãe e filho, já que para o bebê a amamentação está diretamente ligada com o afeto. O bebê que tem um bom vínculo com a mãe se torna mais feliz, mais seguro e amado. Por isso é importante que as mães estreitem esse vínculo com o bebê, que normalmente ocorre através da amamentação. Mas infelizmente parece que cada vez mais as mães diminuem o tempo de amamentação. O trabalho, indispensável nos dias de hoje, reduz o período de amamentação. Mas enquanto for possível, as mães devem amamentar e reservar um tempinho somente para os pequenos. 

Alimentação como prêmio
“Pais ausentes muitas vezes querem compensar sua falta de atenção e carinho com comida” diz Claudia Pereira, psicóloga clínica especialista em Psicologia Comportamental e Cognitiva pela USP. E normalmente os alimentos escolhidos pelos pais são aqueles menos nutritivos como doces e fast food. Isso piora a qualidade da alimentação, gera ganho de peso e inverte valores. A criança começa a entender que o alimento calórico é um prêmio, é uma coisa boa, valorizada pelos pais, o que pode gerar obesidade e baixa auto-estima.
  

“A alimentação deve ser um processo natural, equilibrado, sem restrições e sem excessos, que valorize a saúde e desenvolvimento normal da criança” 

Os pais não devem ceder os caprichos da criança. Uma alimentação saudável e balanceada não contempla apenas salgadinhos de pacote, bolachas e frituras. É importante que a criança tenha um prato completo e variado e que alimentos saudáveis sejam oferecidos diariamente dentro de uma rotina estipulada. 

 Inapetência fisiológica
A partir dos 9 meses a criança cria uma certa autonomia e a recusa alimentar pode aparecer. Por volta de 1 ano ocorre uma desaceleração do crescimento normal da criança e por isso a demanda por alimentos diminui, o que acaba preocupando muitos pais. Mas é preciso entender que esse é um processo fisiológico e que as crianças não comem as mesmas quantidades que os adultos. A oferta de frutas, verduras, legumes, carnes, leite e derivados e cereais diariamente é fundamental.

Ambiente inadequado
Segundo Claudia a maioria dos casos de inapetência infantil, que é a falta de apetite são causados pelo ambiente inadequado. “A criança vai crescer saudável emocional e fisicamente se viver num ambiente familiar adequado, onde os pais conversam com o bebê, o tratam com carinho, atenção e cuidados”. Muitas vezes os pais não percebem que suas atitudes prejudicam a alimentação da criança. “Não ter rotina na hora das refeições, é um erro. Crianças que almoçam 12 horas um dia e 16 horas outro dia, não criam hábitos, e isso é ruim. Limites e rotina são importantes para as crianças” diz a psicóloga.

Liberdade e independência
Outro erro comum dos pais é não dar liberdade e independência às crianças. “Elas precisam comer sozinhas, se sujar, conhecer os alimentos. Só assim poderão ter experiência, as mãos e a boca são os meios da criança conhecer os alimentos”. Por volta de 1 ano, a criança está bastante envolvida com o ato de brincar e pode querer brincar com o alimento. É importante que os pais deixem a criança mexer no alimento, mas incentivem sempre o ato de comer. As crianças começam também a querer imitar os adultos, serem “independentes” e cabe aos pais paciência e deixar a criança experimentar as sensações. O mesmo se refere à consistência dos alimentos. Os pais não devem ter receio de dar alimentos mais sólidos e diferentes, desde que seja de acordo com a idade apropriada.

Respeitar as escolhas e oferecer sempre
Os pais devem lembrar que os alimentos devem ser bem preparados, o que envolve a escolha, a compra, a conservação, o preparo e o oferecimento à criança. Deve haver variedade no preparo dos alimentos, ou seja, os pais devem fazer refeições variadas e coloridas. Arroz e feijão, as carnes, verduras, legumes e frutas devem variar diariamente, se possível.Se a criança rejeitar um alimento, os pais não devem desistir, ofereça sempre que possível. À vezes em um determinado momento a criança não estava disposta ou não gostou do tipo de preparação. Esclareça a criança a respeito da importância da boa alimentação, dos nutrientes e suas funções e desde cedo explique também que certos alimentos não fazem bem à saúde e devem ser evitados.

Aumento do apetite
Por volta dos 5 anos a criança tende a aumentar seu apetite e passa a comer melhor. Não deixe de oferecer alimentos saudáveis e não estimule os industrializados, fast food e doces. É importante ressaltar que também não se deve criar um ambiente crítico e totalmente adverso aos alimentos, mesmo que sejam gordurosos e ricos em açúcar. A alimentação deve ser um processo natural, equilibrado, sem restrições e sem excessos, que valorize a saúde e desenvolvimento normal da criança.
 

Na espera…

março 14, 2008

Já tem nome?

É só anunciar a gravidez que todo mundo quer saber como o bebê vai se chamar. Esta é uma decisão deliciosa e crucial, capaz de provocar empatia imediata ou embates acirrados entre familiares e amigos. Se ainda restam dúvidas sobre o assunto, consulte o nosso guia. O nome que você procura pode estar aqui!

Por Marcia Lobo

Nome é uma questão de gosto e gosto não se discute. Portanto, somos todos livres para decidir se queremos homenagear parentes queridos, astros da TV, a cultura popular brasileira ou simplesmente inventar moda. O ministro da Cultura, Gilberto Gil, batizou sua primogênita de Preta e foi aplaudido pela referência étnica. A atriz americana Gwyneth Paltrow chamou a filha de Apple, maçã, em inglês, “porque maçã é bíblica e doce”. Doçura por doçura, nossa Amora Mautner, filha de Jorge e diretora de TV, é pioneira. Caetano Veloso influenciou uma geração ao chamar o filho de Moreno. Aliás, “Mano” Caetano ganhou recentemente um quase-meio-xará quando Marisa Monte resolveu batizar o primeiro rebento de Mano Vladimir. Sting é outro que registrou a filha com um apelido (famosíssimo, já que foi imortalizado pela divina Chanel, mas que nem por isso deixa de ser um apelido): a menina atende por Coco. Por aqui pegaria muito mal. Da mesma forma, a filha de Paul Simon tem um nome para nós risível: lembra cachorrinho ou – na melhor das hipóteses – um jeito carinhoso de chamar os “luíses” da vida. Pois é, trata-se de Lulu. E há quem trilhe caminhos ortodoxos, como a atriz Cláudia Abreu, cuja menina se chama simplesmente… Maria. Em qual dessas tribos você se encaixa? Ou não se encaixa ainda? Este guia nada convencional pretende ajudar ou inspirar você a escolher o nome que acompanhará o seu bebê tão querido e desejado pelo resto dos dias dele. É uma missão e tanto, para ser cumprida com louvor.  

Heróis e heroínas

Por causa de Brad Pitt, já tem bebê sendo batizado de Aquiles, nome que, antes de Tróia, as mães dificilmente levavam em consideração. Não faltam nas certidões homenagens às heroínas nacionais dos livros, da música e da TV. Entre as mais cotadas, Gabriela (a cravo e canela de Jorge Amado e Sônia Braga), Jade (da novela O Clone), Brida (de Paulo Coelho), Marina (de Dorival Caymmi), Lígia (de Tom Jobim) e Carolina (de Chico Buarque). A minissérie Os Maias colocou Carlos Eduardo e Maria Eduarda de volta no mapa dos favoritos. Estreando em Presença de Anita, Mel Lisboa acrescentou dois nomes aos preferidos dos pais: o dela e o da personagem. Em Mulheres Apaixonadas, Carolina Dieckmann fez as pessoas se lembrarem da existência de Edwiges, a santa padroeira dos endividados. Por falar em novela, pode apostar que, com América, a Sol de Deborah Secco vai emplacar.

A tribo dos extravagantes

Em matéria de exageros, eis alguns campeões mundiais:Blue Angel (anjo azul), filha do músico The Edge, da banda U2;
Scout (escoteira), filha de Demi Moore e Bruce Willis, que também são pais amorosos de um Rumer Glenn e de uma Tallulah Belle;
Seven (sete), filho da cantora Erykah Badu;
Denim (aquele das calças jeans), filho da cantora Toni Braxton;
Lily-Rose Melody (lírio rosa melodia), filha de Johnny Depp;
Chastity (castidade), filha de Cher;
Banjo, filho da atriz Rachel Griffiths;
Kid (criança), filho de Tea Leoni e David Duchovny;
Maddox, filho de Angelina Jolie;
Sarah Sheeva, (antes era Riroca), Zabelê, Nana Shara, Kriptus Rá Baby, Krishna Baby e Pedro Baby, a prole de Baby do Brasil.
 

Geográficos

Nomes de lugares estão em alta entre os astros internacionais:• A filha de Michael Jackson, por exemplo, chama-se Paris.
• Kim Basinger e Alec Baldwin são pais de uma Ireland (Irlanda).
• A menina de Natassja Kinski é Kenya Julia
• 
O garoto do jogador David Beckham leva o nome do bairro nova-iorquino Brooklyn (porque o casal estava lá quando descobriu a gravidez da ex-Spice Girl Victoria Adams).
 Gostinho da famaPais fanáticos por futebol sempre gostaram de homenagear seus ídolos: Ademir, Gilmar, Jair, Carlos Alberto, Raí, Djalma, Nilton, Ronaldo, Diego, Diogo. Edson (de Pelé) nunca foi um campeão nas preferências; em compensação, quando nasceu a primeira filha do rei, Kelly Cristina virou mania.O sucesso de Senna na Fórmula 1 e de Guga no tênis fez Ayrton e Gustavo voltarem à moda.Nossos vitoriosos times olímpicos de vôlei e basquete acrescentaram à lista: Bernardo, Hortência, Giovane, Renan, Leila, Maurício, Marcel, Adriana, Fernanda, Virna, Ricardo, Emanuel.As top models também colocaram seus nomes em cartaz. Principalmente Gisele, Naomi, Cindy. Bem como as cabeças coroadas, em especial as princesas Diana, Caroline e Stephanie. Outras opções puro sangue azul: Yasmin, Margareth, Sylvia, Juliana, Sarah, Isabel, Leonor, Alexandra, Vitória.Mas são mesmo as celebridades das telas (do cinema e da TV) as grandes fontes de inspiração. Para as meninas: Angélica, Angelina, Alícia, Amanda, Andrea (que na Itália é feminino e masculino e por aqui ganhou versão aportuguesada, Andréia), Bárbara, Camila, Carol, Cristiana, Cristiane, Débora, Drica, Emma, Fernanda, Giovanna, Giulia, Glória, Greta, Ingrid, Isabela, Isabelle, Jenifer, Jéssica, Kyra, Laura, Leandra, Lílian, Linda, Lisa, Lisandra, Marília, Melina, Melissa, Michelle, Mila, Natália, Nicole, Paloma, Paz, Pietra, Rachel, Rebeca, Rosana, Sally, Salma, Samantha, Sandra, Selma, Sharon, Sofia, Susan, Tea, Vanessa. Para os meninos: Alan, Alec, Alex, Caíque, Danton, Eric, Jean, Leonardo, Marcelo, Raul, Rodrigo, Roger, Sam, Selton.E que nomes os ricos e famosos escolhem para os próprios filhos? Começam a ganhar xarás Maria Rita e João Marcelo (de Elis Regina). Diferentemente do que se esperava, Madonna não foi nada extravagante: escolheu Rocco e Lourdes Maria. Cindy Crawford preferiu Presley; e Elizabeth Hurley, Damian.Algumas das mães aqui da terra não inventaram moda: a filha de Kelly Key chama-se Suzanna; a de Elba Ramalho, Maria Clara; Isabel Fillardis, um pouquinho mais ousada, preferiu Analuz. Fernanda Torres deu ao filho um nome há muito tempo fora de moda, mas que agora, copiado pelo casal Angélica e Luciano Huck, pode até voltar: Joaquim. E Helena Ranaldi ficou com o eterno Pedro. Mas Isabeli Fontana não resistiu a ser diferente: o nome de seu filho é Zion – terra prometida dos rastafáris, a seita religiosa jamaicana que a modelo admira.

Como uma Deusa (ou um Deus)

Alcione, Alita, Artêmis, Chandra, Cibele, Cíntia, Clóris, Daphne, Demétrio, Denis, Denise, Diva, Flora, Hermes, Heros, Íris, Ísis, Jane, June, Mani, Nahid, Odin, Ravi, Têmis, Trajano, Thor. Perfume de flor Acácia, Açucena, Antero, Anthea, Ayana, Bonina, Deise, Delphine, Emi, Florinda, Flóris, Gládis, Gláucia, Ivy, Thalia, Verbena, Zara.

Alto-astral

Estes significam felicidade, alegria, otimismo: Ada, Agnes, Aída, Ananda, Benjamim, Caio, Dionísio, Esperança, Eunice, Fausto, Felícia, Félix. Mitológicos Alfeu, Andrômeda, Aurora, Clio, Dido, Dione, Dirce, Enéias, Eurídice, Evandro, Glauco, Hebe, Iole, Laio, Lavínia, Leandro, Leda, Nereida, Orfeu, Penélope, Rômulo, Sabrina, Ulisses, Valquíria. 

Bem originais

Marta e Tadeu – sabia que esses dois nomes vieram do aramaico? Examinando origens distantes (no tempo e no espaço), você pode encontrar (ou lembrar) aquele nome especial que procura. • Alemão: Enzo, Lara.• Árabe: Cid, Karime, Samira, Soraia.• Armênio: Zilema, Zulma.• Assírio: Baltazar, Nina, Semíramis.• Bretão: Morgana.• Celta: Alina, Artur, Brian, Brígida.• Egípcio: Núbia, Osíris.• Espanhol arcaico: Belinda, Bolívar, Ximene.• Francês arcaico: Curtis, Franco, Guido, Leonel, Marlon.• Gaélico: Alana, Glena, Rônei.• Galês: Ariana, Eleonora.• Germânico: Arduíno, Evaldo, Irma, Kleber, Lóris, Mina, Ramiro, Valdo, Wladyr, Zelinda.• Latino-germânico: Alba, Alma, Araceli, Belina, Benício, Carina, Cássio, Constança, Dácio, Fabiano, Fabrício, Júnia, Lorena, Lourenço, Luan, Miranda, Priscila, Sálvio, Tito, Túlio, Úrsula, Veridiana, Verônica, Viviana.• Persa: Ciro, Sacha, Zana.• Português arcaico: Fernão.• Púnico: Aníbal, Bianca.• Sânscrito: Nádia, Nirvana.• Teutônico: Alberta, Aldo, Alison, Armina, Astride, Berta, Bibiana, Brenda, Elga, Hilma, Lutero, Thainna, Werner.

Preferências nacionais

Nomes indígenas e africanos estão em alta, sendo Cauã (escrito das mais diferentes maneiras possíveis e imagináveis) o campeão das preferências. Outras opções para meninos são: Aritana, Caiubi, Delmar, Guaraci, Iberê, Iraí, Jatir, Jurandir, Mair, Moacir, Peri, Poti, Rudá. Para as meninas: Adanna, Amana, Anajá, Bartira, Ceci, Daya, Diacira, Hanna, Iaci, Iara, Iracema, Ivaí, Janaína, Jandira, Juçara, Jurema, Luara, Mairi, Mayara, Miracema, Moema, Niara, Potira.Também estão na moda as pedras preciosas, tipo Cristal, Esmeralda, Pérola, Rubi, Safira e Turmalina.Mas Ana e Maria (pura e simplesmente, ou acompanhadas de um segundo nome) ainda são os mais queridos. A lista dos dez preferidos nos cartórios inclui ainda: Júlia, Giovana, Beatriz, Vitória, Letícia, Gabriela, Bruna e Larissa. Para os meninos, João é campeão, seguido de Gabriel, Lucas, Pedro, Matheus, Luís, Vítor, o já citado Cauã, Guilherme e Vinícius.E os dez mais americanos? Aí vão: para meninas, Madison, Emma, Abigail, Riley, Chloe, Hannah, Alexis, Isabella, Mackenzie, Taylor; para meninos, Aidan, Jaden, Caden, Ethan, Caleb, Dylan, Jacob, Jordan, Logan, Hayden.  

Só não vale…

Dar à criança um nome que possa constrangê-la no futuro. De acordo com o parágrafo único do artigo 55 da Lei de Registros Públicos (Lei n o 6.015, de 31/12/1973), nesse caso, os cartórios podem se recusar a acatar o pedido dos pais. “Há uma certa subjetividade, pois a primeira apreciação é feita pelo oficial do cartório”, explica a advogada Silmara Juny Chinelato, professora livre-docente da Faculdade de Direito da USP, em São Paulo. “Quando os pais não concordam, o próprio oficial remete o caso ao juiz, que dará a palavra final.” 

Já escolheu?