Até quando amamentar?

agosto 5, 2008

A importância da amamentação e os benefícios que traz à mamãe e ao bebê são indiscutíveis. Mas quando o assunto é até quando se deve oferecer o peito à criança ainda é fator de dúvida para muitas mamães.

O desmame se inicia quando outro alimento é introduzido além do leite materno. A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de idade, desde que o crescimento e desenvolvimento do bebê estejam adequados.

Depois dos seis meses, o bebê já tem todo o seu sistema digestivo amadurecido para receber outro alimento que não o leite materno e também já necessita de nutrientes que não são encontrados no leite produzido pela mamãe.

A partir de então, o bebê começa a diminuir as mamadas no peito e adquirir o hábito de mastigar, começando pelos sucos, papinhas doces e salgadas até comer a mesma comida da família. A amamentação passa a ser um complemento da alimentação.

Segundo a OMS, o aleitamento materno deve acontecer pelo menos até os dois anos ou até ser prazeroso para mamãe e criança. O que a mamãe deve ficar atenta é se a amamentação não está interferindo na alimentação da criança e prejudicando a nutrição adequada do pequeno. Como já dissemos, a amamentação deve ser somente um complemento da alimentação após os primeiros meses de vida.

Tá na hora de mamar! – Outra questão importante da amamentação prolongada são os horários das mamadas e a higiene bucal. Desde pequenino a mãe deve realizar a limpeza dos dentinhos e região da boca do seu filho mesmo que sua alimentação seja exclusivamente o leite de peito.

Normalmente o horário da mamada da criança maior é a noite para dormir gostoso no colo da mamãe. É realmente uma delícia, mas as mamães ficam com dó de acordar os filhotes para escovar os dentinhos depois da mamada achando que o leite de peito não oferece o risco de cáries. Engano! Os dentes das crianças precisam ser escovados depois da amamentação, pois o leite materno provoca cárie, sim.

Dúvida – E para desmamar precisa usar a mamadeira? Não. Criança que mama no peito não precisa de mamadeira. Aos seis meses de idade a criança já está apta para sugar um copo aberto, com cuidado, ou um copo com bico. Se a criança for maiorzinha pode-se usar o canudo.

É sempre bom lembrar que a mamadeira e a chupeta são prejudiciais para o desenvolvimento da arcada dentária e musculatura facial, principalmente da região da boca, prejudicando também o desenvolvimento da fala.

Dicas

  • Não use truques como colocar pimenta ou sal no bico do peito para a criança não sugar mais. O melhor é conversar sobre o desmame com o seu filho.
  • Converse com uma nutricionista para verificar se as mamadas não estão interferindo na absorção de nutrientes que a criança precisa.
  • Amamentar é tudo de bom. Amamente exclusivamente até os seis meses e previna sua criança de muitas doenças.

Atenção ao sapatinho

junho 9, 2008

Quem não se encanta com sapato de criança? Sandálias, mocassins, chinelos, tudo tão pequeno. Imagina então que coisa mais fofinha o bebê usando uma miniatura do lançamento da estação! Mas cuidado. Antes de levar o novo modelo para casa é preciso conferir algumas características do calçado. Acredite: por mais engraçadinho que possa parecer, o sapato infantil não deve ser uma réplica do adulto.
E não é só isso. Para cada fase da vida da criança existe um modelo que se adapta melhor às características do momento, sem prejudicar o desenvolvimento dos pezinhos.

Bebê descalço

A moda do calçado infantil não vê idade. Hoje, é possível encontrar opções até para bebês de colo. Mas a verdade é que bebês que ainda não caminham não precisam usar sapato, já que sua função é proteger o pé de elementos estranhos que estão no chão. Um par de meias, ou um sapato feito de tecido e com a palmilha plana, é o suficiente para manter o pequeno bem longe de qualquer impureza.

Assim que o bebê começar a ensaiar os primeiros passinhos, por volta de um ano de idade, é hora de começar a pensar em um calçado com características um pouco diferentes. O ideal é optar por aqueles que são revestidos com material que deixa os pés bem ventilados e que se fixam bem ao calcanhar, para evitar torções.

Atenção também ao solado. Ele deve ser flexível, deve dobrar sob a planta do pé, e não sob o calcanhar, e também não deve ser muito liso, diminuindo assim as chances de a criança escorregar.

Quando o bebê estiver em um ambiente que você considere protegido, como dentro de casa, deixe-o andar descalço. É um ótimo exercício para o desenvolvimento da musculatura do pé.

Por fim, procure um modelo que deixe os pés bem acomodados: os dedos não podem ficar curvados nem o peito do pé apertado. Por isso, nada de sapato certinho no tamanho.

Dicas para a hora da compra

– Peça para a criança calçar os dois pés e verifique se o calcanhar não desliza com facilidade;
– Se a criança tiver um pé maior que o outro, opte sempre pelo maior número;
– Esqueça aquela conversa de que os sapatos irão se “moldar ao pé” conforme o uso. Lembre-se que eles devem proporcionar bem-estar à criança;
– Certifique-se de que existe uma folga entre o dedo maior e a ponta do sapato. O ideal é ter um espaço de até 1cm.

Um bom sapato para a criança deve ser confortável, flexível e do tamanho certo. Boas compras!

 

 

Posts anteriores:

Cachorrinhos

Histórias & Aprendizado

Quanto custa criar um filho?

 

Conheça também:

Jogos Infantis

Histórias Infantis

Músicas

 

************

O planejamento começa na barriga e precisa ser sério para dar conta do futuro com tudo de bom que você deseja para o seu bebê. Nossos consultores mostram o caminho das pedras para cobrir todos os gastos das fraldas à faculdade

A gravidez é uma fase de muitas expectativas e inúmeras questões passam pela sua cabeça, desde as que serão respondidas dentro de meses, como a curiosidade em saber como será o rostinho do bebê, até outras ligadas a um futuro mais distante, como as condições para bancar uma boa educação ou o dia em que ele arrumar a primeira namorada. A maioria dessas reflexões é mero exercício de futurologia, mas a resposta para uma delas, pelo menos, você pode começar a construir desde já: as condições financeiras para criar seu rebento até que ele se vire sozinho. Quanto antes iniciar seu planejamento, melhor. Um filho representa uma despesa adicional considerável no orçamento de um casal. Cálculos do consultor Marcos Silvestre, coordenador-executivo do Centro de Estudos de Finanças Pessoais e Negócios (Cefipe), de São Paulo, mostram que uma família de classe média, com renda familiar ao redor de 4 mil reais mensais, deve gastar algo em torno de 250 mil reais até os 23 anos, ou do nascimento até o término da faculdade. É assustador, não? Mas considere que essa é a soma de gastos de mais de 20 anos e não um dinheiro que você terá de desembolsar de uma vez. Boa parte desse montante – provavelmente a maior parcela – deverá vir da acomodação do seu orçamento às novas necessidades, redefinindo prioridades e substituindo algumas despesas atuais por outras que irão surgir. Os consultores em finanças recomendam especialmente a preparação de uma reserva para o momento em que os custos serão maiores e mais concentrados, que é o período correspondente ao da faculdade. Para ajudar a elaborar sua programação financeira, acompanhe o detalhamento dos gastos e dicas dos especialistas.

 

 

 

Antes de o bebê nascer

 

 

Toda a preparação para seu bebê chegar deve consumir no mínimo 3 mil reais, de acordo com os resultados da segunda etapa do estudo do Cefipe, que está em fase de conclusão. As contas incluem a montagem do quarto – berço, cômoda, poltrona de amamentação, cama para acompanhante e decoração -; a compra de equipamentos como carrinho, banheira, cadeirão etc.; e o enxoval, considerando, além das roupas, mamadeira, chupeta e outros utensílios. É claro que o valor total vai variar em função da qualidade e variedade de artigos que você escolher.

Segundo o levantamento, pode chegar até 30 mil reais se a família optar por um enxoval de grife, produtos importados e outros luxos. Por isso, é importante segurar a ansiedade na hora das compras. “É normal os pais quererem o melhor para os filhos, mas têm de manter a cabeça fria e avaliar se pagar mais por determinado produto realmente é necessário ou se o benefício adicional compensa a diferença de preço”, observa Marcos Silvestre. “Também vale pedir emprestados itens, desde que em bom estado, de parentes e amigos que tenham tido bebê recentemente, porque esses objetos serão usados por pouco tempo. Logo o bebê crescerá e não precisará mais do cadeirão, por exemplo.”

 

 

 

Até os 18 anos

 

 

Agora o bebê nasceu e você entra no mundo das fraldas, um dos maiores gastos dessa fase. Até os 6 meses de vida, se estiver amamentando, você não terá de se preocupar com comida: o leite materno deve ser o único alimento, o que, além de ideal para o bebê, é supereconômico para a família. Se for complementar com leite artificial, prepare o bolso – ele pode ficar indigesto para o orçamento. Além da alimentação, haverá despesas com reposição do enxoval, à medida que a criança vai crescendo, e visitas ao pediatra. Caso o médico pertença ao plano de saúde, as contas inicialmente serão um pouco mais leves. A economia, no entanto, não dura muito, porque geralmente os pais trabalham fora e será preciso contratar uma babá ou optar por um berçário. É por essa razão que a pesquisa do Cefipe não faz diferenciação nos custos mensais até os 18 anos, que, para uma família de classe média, fica ao redor de 750 reais. “Os gastos vão sendo substituídos, mas não há muita variação”, observa Silvestre. “Um berçário pode custar tanto quanto uma mensalidade escolar e, se uma hora cessam os gastos com fraldas, aumentam outras despesas.” No valor mensal de 750 reais estão incluídos gastos diretos com a criança, como educação e vestuário, e os indiretos, que compõem despesas gerais da família, como alimentação e plano de saúde, por exemplo. “A educação ocupa sozinha 50% desse total, levando em conta a escolha de uma boa escola de bairro”, explica o consultor. Se você optar por um colégio de renome, de mensalidade mais alta, a projeção mensal pode crescer significativamente.

 

 

 

Dos 18 aos 23 anos

 

 

É nesse período que a situação fica mais apertada. De acordo com os cálculos de Silvestre, por causa da faculdade, dos custos mais elevados com gasolina – é comum o jovem usar um dos carros da família se não tiver o dele – e da atividade social mais intensa, o gasto mensal com o herdeiro dobra para algo que pode chegar facilmente a 1,5 mil reais. Por esse motivo, é para essa fase que se recomenda a preparação de uma reserva financeira. O segredo para tudo dar certo é começar cedo. Quer ver só? Para custear totalmente a universidade, você deverá reunir algo próximo de 40 mil reais, considerando uma mensalidade ao redor de 800 reais e um curso com duração de quatro anos.

Se iniciar uma aplicação financeira assim que o bebê nascer, em um fundo de renda fixa conservador, por exemplo, que pague juros reais de 0,2% ao mês (sem contar a reposição da inflação), precisará aplicar mensalmente, em valores atuais, 148,20 reais. Assim, chegará aos 40 mil reais quando seu filho completar 18 anos. Se iniciar o investimento quando a criança tiver 2 anos, o valor empregado deve aumentar um pouco, para 171,09 reais. Se você achou muito, outra opção é reservar ao menos uma parte disso – que já será de boa ajuda no futuro. Aplicando, por exemplo, 50 reais por mês a partir do nascimento, você terá cerca de 13,5 mil reais 18 anos depois.

 

 

 

Onde investir

 

 

Qual a aplicação mais indicada para esperar tanto tempo? Existe uma lógica em finanças segundo a qual de quanto mais tempo você dispõe, mais pode aumentar suas possibilidades de ganho com investimentos de maior risco. No entanto, apesar de contar com um prazo bastante longo – de 18 a 20 anos -, essa regra não é totalmente aplicável quando o que está em jogo é a educação dos filhos. Os especialistas recomendam aplicações conservadoras ou no máximo que conjuguem as duas fórmulas, destinando uma parcela menor para investimentos mais arriscados, como fundos de ações. “Mas não deve ser mais de 20%”, observa o consultor financeiro Gustavo Cerbasi, autor do livro Dinheiro – Os Segredos de Quem Tem (Editora Gente). “Não se trata de uma reserva apenas, há um objetivo bem claro para o futuro e colocar esse recurso em risco não é um bom negócio.” Mas isso também não significa que você deva se restringir à caderneta de poupança. “Há alternativas mais rentáveis e praticamente tão seguras quanto”, ressalta Cerbasi.

 

Quais são elas? “Fundos de renda fixa conservadores, CDBs de grandes bancos e títulos do governo, que podem ser adquiridos a partir de 200 reais pelo Tesouro Direto.” O importante é manter a disciplina de fazer os aportes mensais para que sua reserva cresça da maneira planejada. Vale ainda uma dica que na maioria das vezes a gente não leva em consideração: “A cada seis meses, corrija o valor que você aplica mensalmente pela inflação – ao longo de 18 anos fará diferença”. Outra opção, válida principalmente para quem não quer se preocupar em acompanhar passo a passo o investimento – como o prazo é muito longo, pode ser recomendável mudar de aplicação ao longo do caminho -, são os planos voltados para a educação dos filhos oferecidos pelos bancos. Eles nada mais são do que planos de previdência, tipo PGBL ou VGBL, mas que prevêem um resgate mais cedo do que aconteceria na aposentaria, geralmente programado para o período da faculdade. Há opções para todos os bolsos, com aplicações mínimas a partir de 40, 50 reais. Ao final do período contratado, você pode escolher entre retirar tudo de uma vez ou receber o valor dividido em parcelas mensais. No site dos bancos você encontra simuladores que permitem projetar quanto receberá no futuro, de acordo com diferentes valores mensais de aplicação.

 

 

 

Importante, mas não intocável

 

 

Seja qual for o investimento que você escolher, lembre-se de que essa reserva é importante, mas não intocável. Em situações de emergência, em que esteja em jogo o bem-estar da sua família, ela pode – e deve – ser usada. “Não tem cabimento detonar o patrimônio familiar e deixar intacta a poupança do Júnior”, destaca a consultora Cássia D’Aquino, especializada em educação financeira. O mesmo raciocínio vale para a decisão de quanto aplicar mensalmente. “Quando o bebê nasce, é tão milagroso que tenha acontecido que a tentação é desviar a atenção de tudo o mais para a criança”, comenta. “Mas é necessário bom senso e trabalhar com o orçamento que você tem.” Outra recomendação fundamental: cuidado com as expectativas. Pode ser que, ao terminar o ensino médio, seu filho adolescente diga que não tem a menor intenção de fazer a faculdade que você sonhou para ele. “É importante que os pais entendam essa poupança como uma reserva que dará apoio ao filho no início da vida adulta, seja para ajudar no período universitário, na abertura de um negócio próprio, na compra do primeiro imóvel ou no que mais combinarem”, ressalta Cássia. Também não se desespere se o seu orçamento não permite juntar a provisão que você gostaria de oferecer quando seu jovem tiver 18 ou 20 anos. “Mais do que tudo, a gente deve prover os filhos de educação e afeto para que, lá na frente, eles tenham condições de caminhar sozinhos.”

 

 

Não deixe de ver:

Homenagem às Mães

40 coisas que seu filho tem de fazer antes dos 7 anos

Criança pergunta cada coisa…

Como construir o estudante do século 21

Nutrição, Saúde, Pedagogia… tudo junto!

 

 

 

 

 

 

 

 

Verdades sobre a gestação

A gravidez é uma aventura e tanto na vida da mulher. São tantas alterações, físicas e emocionais, que nada é mais natural do que ter muitas dúvidas. Para ajudar a desvendar este momento tão especial, preparamos algumas “verdades” sobre as mudanças no corpo e os cuidados necessários na gestação. Afinal, por que a grávida sente mais sono? Em que período a gravidez é mais delicada? Descubra agora!

 

 

As gestantes podem sentir mais sono do que o normal?

 

Devido às alterações hormonais próprias da gravidez, é comum as mulheres ficarem mais sonolentas, principalmente nos primeiros meses. Por isso, para ter suas energias renovadas, respeite os seus momentos de preguiça sempre que possível.


Futura mamãe, fique bem longe do cigarro!

Como não é mais novidade para ninguém, o cigarro tem diversas substâncias prejudiciais à saúde, entre elas, a nicotina. No caso da gravidez, o fumo pode acarretar calcificação placentária, parto prematuro e retardo no crescimento fetal. Além de não fumar, as gestantes devem se manter afastadas da fumaça, que também faz mal.

Em que período a gravidez é mais delicada?

Considerando toda a gravidez, o primeiro trimestre é o mais perigoso em relação a perdas fetais. Após 12 semanas, o risco normalmente decai bastante. Embora o repouso seja recomendado apenas em casos específicos, a dica é não abusar nos primeiros meses de gravidez. Conte sempre com as recomendações do seu obstetra de confiança.

 

 

A gravidez propicia o aparecimento de candidíase vaginal.

As alterações hormonais do período também provocam mudanças no meio vaginal, facilitando a proliferação de fungos, em especial a Cândida sp., que causa coceira, vermelhidão e corrimento esbranquiçado. Para prevenir o problema, redobre os cuidados. Entre eles: use apenas calcinhas de algodão; evite roupas apertadas; durma sempre com roupas largas e confortáveis; use sabonete neutro para a higiene íntima; e, é claro, consulte sempre seu médico.

O ácido fólico é mais do que recomendado para quem pensa em engravidar.

Devendo ser usado pelo menos três meses antes da concepção até o primeiro trimestre da gravidez, o ácido fólico previne malformações fetais. Não deixe de conversar com seu médico sobre o uso deste importante suplemento vitamínico.

Ficar com mais vontade de fazer xixi é bastante comum na gestação.

Como o útero cresce próximo da bexiga, seu peso estimula a mulher a urinar mais vezes. Outra explicação para esse fenômeno é o fato de, na gestação, existir mais sangue circulando no organismo da mulher, que é filtrado pelos rins e transformado em urina. Assim, nada de ficar achando que essa vontade é frescura: grávida tem mais vontade de fazer xixi e ponto!

A vida sexual da grávida pode continuar ativa?

Desde que a gestação não apresente problemas ou exija cuidados especiais, a vida sexual da futura mamãe pode seguir normalmente. Mas não deixe de ter uma boa conversa com seu obstetra sobre esse tema: além de deixá-la mais segura, ele poderá alertá-la sobre as situações específicas em que o sexo deve ser evitado.

Posso ter ressecamento vaginal?

Esta é mais uma transformação provocada pela revolução hormonal que acontece dentro do seu corpo durante a gravidez, e, neste caso, o responsável é o aumento de progesterona. Nas relações sexuais, você pode usar lubrificantes vaginais. O médico deve ser avisado caso haja piora do quadro, o que pode indicar processos inflamatórios ou infecciosos.

Isso mamães. Agora no próximo post falaremos sobre os mitos que rondam o imaginário popular quando se trata de um espera tão especial.

 

 

 Mitos sobre a gestação

Desde tempos remotos, a gravidez é um dos períodos da vida mais cercados de mistérios e encantamentos – afinal, poucas coisas podem ser tão emocionantes quanto a gestação de um outro ser. Vem dos tempos antigos também alguns dos mitos que até hoje fazem a cabeça de muitas mulheres, como a idéia de que grávida não deve comer frutas ácidas. Conheça essa e outras lendas sobre o período da gestação.

gravidona.jpg

Grávidas não devem fazer exercícios físicos
Muitas gestantes praticam exercícios regularmente sem que haja prejuízo para elas ou para o bebê. A atividade física é, na verdade, vantajosa para a futura mamãe, pois promove bem-estar, melhora a circulação sangüínea e o padrão de sono, alivia dores lombares, entre outros benefícios. Antes de começar a se mexer, no entanto, seu obstetra precisa liberar a prática, pois há casos em que ela realmente não é recomendada. Lembre-se, também, que neste período deve-se privilegiar modalidades de baixo impacto, como hidroginástica, caminhada e relaxamento.


Massagens ajudam a aumentar o leite para a futura amamentação

A própria natureza se encarrega de preparar os seios da mulher, por isso, cuidados especiais não são necessários. Quando o assunto é a produção de leite, a regra é uma só: quanto mais o bebê mama, mais leite materno é produzido!

Cólicas na gravidez devem sempre causar preocupação
Na gravidez, o útero cresce e faz pressão nas estruturas pélvicas vizinhas, o que torna as cólicas bastante comuns, principalmente no início. De toda forma, você precisa manter seu médico informado sobre toda e qualquer manifestação que sentir no decorrer da gestação.


O excesso de azia indica que o bebê será do sexo masculino

A azia nada mais é do que um dos principais desconfortos relatados na gravidez. Mais freqüente a partir do segundo trimestre, quando o bebê está maior, ela acontece devido ao aumento do útero, que comprime o estômago e faz o conteúdo gástrico refluir. Ou seja, o desconforto da azia não tem nada a ver com o sexo do bebê: pode acontecer tanto na gestação de meninos quanto na de meninas.

Frutas ácidas fazem mal ao bebê, por isso as grávidas devem evitá-las
Não existe nenhum estudo específico que comprove essa afirmação. As grávidas, na verdade, devem preocupar-se em ter uma dieta saudável e balanceada. Assim, caso gostem de frutas ácidas e não tenham problemas gástricos, podem consumi-las sem problemas. Há quem diga, inclusive, que este tipo de fruta ajuda a diminuir a sensação de enjôo e náusea, mas atenção: assim como tudo na vida, nada de exagerar na dose.

Tingir o cabelo não faz mal…
A orientação da grande maioria dos especialistas é a de a mulher não usar produtos químicos (tintura, relaxamento, permanente, etc.) no cabelo durante o período de gestação. O couro cabeludo é muito vascularizado, o que permitiria que substâncias tóxicas chegassem até o bebê através da corrente sangüínea. Se você gosta de colorir os cabelos, não fique triste: uma alternativa mais segura é usar corantes naturais, sem amônia, como a hena.

Mulheres acima de 35 anos não podem ter parto normal
A idade não é determinadora do tipo de parto, mas sim fatores como sedentarismo, presença de pressão alta, diabetes, elasticidade do tecido, tamanho fetal, riscos envolvidos, etc. Muitas mulheres acima de 35 anos têm parto normal sem problemas. O que deve ser considerado é o seu caso específico e as orientações do seu obstetra.

Um bebê “mais quietinho” é sempre sinal de problema

Desde a barriga, cada pessoa tem suas características peculiares! É por isso que uns bebês podem se mexer tanto, enquanto outros são mais quietinhos. Além disso, pode ser que algumas mulheres possam ter mais sensibilidade em perceber as movimentações do feto. O mais importante neste assunto é o médico acompanhar a gravidez e fazer todos os exames necessários para saber como anda a saúde do bebê.

Agora que você já conhece alguns mitos da gravidez, aguarde nosso próximo post. Será as  “verdades” deste acontecimento tão importante da vida da mulher.

    

Devo deixar meu filho com a família?  

mama.jpg 

Na hora de escolher quem vai cuidar do seu filho enquanto você trabalha, uma das opções mais apreciadas é a de contar com a ajuda de familiares. Afinal, conhecer bem as pessoas que estarão com a criança garante tranqüilidade. Mas, apesar do lado bom, alguns fatores devem ser considerados. Conheça as vantagens e desvantagens dessa opção de cuidado.   Como existe uma relação de afinidade por parentesco, os pais sentem-se seguros em deixar o filho com a família, já que sabem que a pessoa responsável realmente se interessa pela saúde, felicidade e bem-estar da criança.

 
Para muitos casais, essa condição representa uma vantagem indiscutível em relação a outras opções, como a contratação de uma babá ou a inscrição da criança em uma creche ou escola infantil. Além disso, quando se trata de alguém da família, os pais em geral têm mais acesso a informações sobre a história da pessoa e seus hábitos.
 

Uma das principais preocupações dos pais que recorrem a outras soluções é que, ao deixarem seus filhos durante o dia todo aos cuidados de outras pessoas, é natural que as crianças adotem valores passados por quem cuida delas, o que nem sempre coincide com os conceitos da família.

 
Outro ponto que costuma agradar aos pais é o fato de a criança passar o dia na própria casa, o que não ocorre se a opção for um berçário ou uma creche. Cuidada por uma pessoa da família, a criança permanece em seu próprio ambiente ou na casa da pessoa responsável, um espaço considerado mais acolhedor do que um ambiente institucional.
 

Finalmente, um aspecto que muitos pais levam em consideração é a proporção de adultos para cada criança. Mesmo que o casal tenha mais de um filho e o familiar tome conta de ambos, a atenção é bem maior do que em uma creche ou escola, estabelecimentos nos quais, em geral, um adulto se ocupa de seis ou sete crianças.


Com menor contato com outros colegas, reduzem-se as probabilidades de contágio de viroses, resfriados (e as conseqüentes dores de ouvido) tão comuns entre crianças que passam o dia em grupo.

 
Mas a vantagem mais óbvia, sem dúvida, é o custo: embora a maioria das pessoas que recorre aos cuidados de alguém da família costume oferecer algum tipo de compensação (financeira ou de outra natureza), em geral o gasto final é bem inferior à mensalidade de um berçário ou ao salário de uma babá.

bbaby.jpg 

 
E quais são as desvantagens?

 
Infelizmente, deixar o filho com os familiares também tem aspectos negativos. Em geral, o contato estreito com a pessoa que toma conta de seu filho dificulta o estabelecimento de um relacionamento profissional.
   Isso pode provocar algumas situações difíceis. Por exemplo, alguns familiares, sobretudo os mais velhos, acreditam deter mais conhecimento sobre a educação e os cuidados com as crianças. Com isso, podem ignorar as recomendações dos pais no que se refere à alimentação, educação e sono do bebê.

 
Esse tipo de atitude não só afeta a autoridade dos pais, como confunde a criança – o que pode trazer desentendimentos entre a família. Para reduzir esse tipo de problema, os pais devem definir com clareza o que querem e determinar as regras desde o início.

 
Outra questão que pode trazer complicações refere-se à remuneração. Em alguns casos, os pais oferecem um valor em dinheiro para não parecer que estão tirando vantagem da situação, mas não raro o familiar recusa a oferta – embora quisesse aceitá-la. Quando isso acontece, uma das conseqüências possíveis é o uso constante de “indiretas” e insinuações que acabam desagradando os pais.

 
E, mesmo que os pais combinem uma remuneração com o familiar que se ocupa da criança, muitos se sentem em dívida em relação à pessoa, o que pode deixá-los menos dispostos a defender as próprias crenças em relação à educação do filho.

 
Se um familiar de mais idade – como a mãe ou tia de um dos pais, por exemplo – for o escolhido para a tarefa, a falta de energia pode ser uma desvantagem. Ainda que a pessoa tenha todas as condições de cuidar de um bebê, talvez não disponha da energia necessária para correr atrás de uma criança em fase de exploração.

 
Se a pessoa que cuida de seu filho (familiar ou não) não tiver energia para explorar novas maneiras de divertir e estimular a criança (ou até mesmo de protegê-la contra possíveis acidentes), avalie a possibilidade de matriculá-la em uma creche ou escolinha, talvez antecipando um pouco sua ida para o convívio com os coleguinhas.

 
Muitas crianças de dois, três ou quatro anos aprendem e se desenvolvem muito com a sociabilização, um recurso nem sempre disponível para quem é cuidado por um alguém da família.

 
Finalmente, ao contrário do que ocorre com as creches, escolas maternais e berçários, esse tipo de cuidado não é controlado pelos organismos do governo. Por isso, é essencial que os pais realmente confiem na pessoa a quem transferem o cuidado com os filhos e não tenham dúvidas quanto à segurança, à limpeza e ao conforto do ambiente.

 
Consultoria: Mônica Gazmenga, enfermeira.